Mente de Principiante (com Astronauta Mecanico) – ETAPA II

Dia 02/04 das 13h30 às 15h – continuação da oficina do dia 01/04

Um sobrevôo sobre a história da imagem ao vivo, jogando luz sobre o vjing e seus principais recursos. Através da utilização de um arsenal de equipamentos e soluções tecnológicas, os participantes experimentarão criar uma composição audiovisual (AV), “tocando” imagem e som em tempo real. Uma troca de informação sem conceitos pré-concebidos.

INSCRIÇÕES ENCERRADAS

Estrutura:

– Breve história da imagem ao vivo;
– Principais recursos do vjing;
– Exposição dos procedimentos e equipamentos;
– Abertura e edição do arquivo AV montado no software (arquivos de exemplo serão distribuídos);
– Apresentação dos exercícios e conversa.

Vagas: 7

Público-alvo: interessados em geral

Horário: sexta e sábado, das 13h30 às 15h (os participantes poderão acompanhar o trabalho da VJ Astronauta Mecanico durante o evento Conexões Globais ao longo dos dois dias)

Obs:
É imprescindível que os participantes tragam seu computador pessoal
(Ubuntu / OS x / Windows)
Sugestão de leitura para a oficina: http://epicentrocultural.com/wp-content/uploads/2015/03/Mente_Zen__Mente_de_Principiante_-_Shunryu_Suzuki_Portugues-libre.pdf

Sobre Astronauta Mecanico

ASTRONAUTA MECANICO é o nome dado ao projeto de performance ao vivo de imagem e som de Veruscka Girio: maranhense, formada entre Pará, Sergipe, Alagoas, Brasília, Rio de Janeiro e Lisboa. Graduada em Comunicação Social, é designer, criadora multiplataforma, videocenarista e curiosa no processo do uso da rotina do computador como ferramenta de criação e produção artística. De 2000 a 2006, transitou pelas redações das principais revistas de São Paulo. Foi editora de arte da revista BRAVO! e diretora de arte da Caros Amigos. É idealizadora e curadora do AVAV — audiovisual aovivo: mostra mensal brasileira de manipulação de imagem e som em tempo real. Em 2015, participou da 12ª Bienal de Havana, representando esta mostra com mais 4 artistas. Realizou uma residência artística no Japão (Arte Ocupa 2015), onde montou ateliê, ocupando e  mapeando a biblioteca de uma escola desativada em Furyori (Okayama), com exibições diárias, abertas ao público, permitindo que o espectador construisse suas próprias narrativas. Esta residência gerou a videoinstalção Sólidos Platônicos, exposta em Takahashi, no Shoyu Museum durante dezembro de 2015. Apresentou seu trabalho em Tóquio (BASECAMP/Roppongi), Lisboa (SALA DO VEADO — Museu Nacional de História Natural e da Ciência), Paris (59 Rivoli e Batofar), Berlin (Rauchhaus e SO36) e Hamburgo (Gangeviertel/Arte Ocupa Lisboa, Paris… e também Hamburgo). Desenhou uma calçada portuguesa construída em Belo Horizonte. Se apresenta ao vivo nas festas SELVAGEMLAÇODSVIANTE e CAPSLOCK. Vive em São Paulo.

 

Foto: Helena Yoshioka

Igor Natusch
23 de março de 2016
Igor Natusch - 23 de março de 2016